Família é quem você escolhe amar

Certo dia, sentada ao redor de uma mesa e tomando uma cerveja gelada, o assunto família surgiu através de uma conversa com mais cinco amigas. Depois deste dia fiquei pensativa sobre o assunto. Eu tenho meus familiares de sangue como minha estrutura para todos os momentos. No entanto, será assim com todas as pessoas? E se não for, existe algum problema em adotar uma para si? Na minha visão das coisas, o amor e a ligação de amizade deveriam ser a base na definição de uma família e não os seus genes.

Quando nascemos não temos a oportunidade de escolher quem serão nossos familiares. Chegamos ao mundo com relacionamentos predestinados e laços de parentescos definidos. Na maioria dos casos essas relações dão certo e a família se constrói com união, carinho e proteção. Perfeito! Todos os membros se amam e se dão bem. Porém estamos lidando com pessoas e personalidades muitas vezes distintas. O sangue infelizmente – ou felizmente – não garante que sempre haverá essa conexão.

O termo “família” vai muito além da ligação sanguínea e eu acredito que isso é o que o deixa ainda mais bonito. Família é quem você escolhe para amar e cuidar. Não deveria ser estranho o fato de uma pessoa ter como porto seguro pessoas que não têm nenhum grau de parentesco com ela, enquanto não mantém contato algum com seus familiares. Ressalto que, os laços acontecem entre pessoas, seres humanos e não entre sobrenomes. Muitas vezes, o santo não bate, as opiniões divergem e, fica impossível uma relação saudável com aqueles que “deveriam” ser nosso chão.

Um casal (hetero ou homossexual) que adota uma criança órfã, pois não podem ter filhos, amigos que vivem sob o mesmo teto e amigos em geral são considerados família. Toda junção de pessoas conectadas pelo DNA ou pela mesma sintonia pode ser chamada de formação familiar. Da mesma forma que escolhemos com quem nos relacionar afetivamente nos quesitos amizade e amor, podemos e devemos escolher nossas relações familiares. Não existe problema algum em adotar um pai, uma mãe, um irmão e até avós e tios.

Amar sua família de sangue também é uma escolha. Afinal, o simples fato de termos os mesmos genes não garante que o amor virá. Uma família se constrói dia a dia, através de muita dedicação. Pessoas precisam ser conquistadas e, mesmo que não percebamos isso no decorrer de nossas vidas, trabalhamos para que isso aconteça. A verdade é que são os sentimentos e o esforço para dar certo que ligam as pessoas. Apesar de existir um significado no dicionário para o termo “família”, não existe uma regra que defina o que é ou não uma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *