Família é quem você escolhe amar

Certo dia, sentada ao redor de uma mesa e tomando uma cerveja gelada, o assunto família surgiu através de uma conversa com mais cinco amigas. Depois deste dia fiquei pensativa sobre o assunto. Eu tenho meus familiares de sangue como minha estrutura para todos os momentos. No entanto, será assim com todas as pessoas? E se não for, existe algum problema em adotar uma para si? Na minha visão das coisas, o amor e a ligação de amizade deveriam ser a base na definição de uma família e não os seus genes.

Quando nascemos não temos a oportunidade de escolher quem serão nossos familiares. Chegamos ao mundo com relacionamentos predestinados e laços de parentescos definidos. Na maioria dos casos essas relações dão certo e a família se constrói com união, carinho e proteção. Perfeito! Todos os membros se amam e se dão bem. Porém estamos lidando com pessoas e personalidades muitas vezes distintas. O sangue infelizmente – ou felizmente – não garante que sempre haverá essa conexão.

O termo “família” vai muito além da ligação sanguínea e eu acredito que isso é o que o deixa ainda mais bonito. Família é quem você escolhe para amar e cuidar. Não deveria ser estranho o fato de uma pessoa ter como porto seguro pessoas que não têm nenhum grau de parentesco com ela, enquanto não mantém contato algum com seus familiares. Ressalto que, os laços acontecem entre pessoas, seres humanos e não entre sobrenomes. Muitas vezes, o santo não bate, as opiniões divergem e, fica impossível uma relação saudável com aqueles que “deveriam” ser nosso chão.

Um casal (hetero ou homossexual) que adota uma criança órfã, pois não podem ter filhos, amigos que vivem sob o mesmo teto e amigos em geral são considerados família. Toda junção de pessoas conectadas pelo DNA ou pela mesma sintonia pode ser chamada de formação familiar. Da mesma forma que escolhemos com quem nos relacionar afetivamente nos quesitos amizade e amor, podemos e devemos escolher nossas relações familiares. Não existe problema algum em adotar um pai, uma mãe, um irmão e até avós e tios.

Amar sua família de sangue também é uma escolha. Afinal, o simples fato de termos os mesmos genes não garante que o amor virá. Uma família se constrói dia a dia, através de muita dedicação. Pessoas precisam ser conquistadas e, mesmo que não percebamos isso no decorrer de nossas vidas, trabalhamos para que isso aconteça. A verdade é que são os sentimentos e o esforço para dar certo que ligam as pessoas. Apesar de existir um significado no dicionário para o termo “família”, não existe uma regra que defina o que é ou não uma.

Sobre os finais: o que importa é o que ficou

É difícil entender e aceitar o fato de algumas pessoas passarem pelas nossas vidas apenas por um breve período. Elas chegam, bagunçam nosso mundo e depois se vão. Parece um pouco injusto, não é mesmo? E pode até ser, por um lado, mas é preciso enxergar além do fim. O que importa mesmo é o que ficou dessa curta – ou nem tanto – passagem.

Ao longo de nossas vidas conhecemos milhares de pessoas, dentre amigos, conhecidos, paqueras e namorados. No entanto, dessas, pouquíssimas nos acompanharão por anos a fio. Mas afinal, por qual motivo nos envolvemos tão profundamente com pessoas por um tempo que parece já ser pré determinado?
No decorrer dos meus quase vinte e seis anos tenho observado a importância de cada pessoa que pela minha vida passou. Deus, a vida, o destino ou como você preferir definir, usa pessoas em determinados momentos por motivos certos. Seja para ensinar, para dar estrutura, para te fazer evoluir ou até para te proteger.
É necessário e até vital entender que algumas pessoas chegam, cumprem suas missões em nossas vidas e depois partem. Às vezes, a despedida machuca, mas é preciso aceitar. Não adianta brigar com o destino. Elas não foram feitas para permanecerem e sim, para nos auxiliarem de alguma maneira e depois irem embora.
As pessoas más nos trazem uma lição. As boas, um exemplo. E as de alma, ah, essas mesmo que passageiras, se tornam eternas. Elas nos dão estrutura nos momentos e fases difíceis, nos incentivam a sermos melhores e conseguem transformar nosso pequeno mundo em algo melhor.
Entenda que o que você é hoje tem um pouco – ou muito – de todas as pessoas que já passaram pela sua vida. Portanto, nada foi em vão. Os anos de uma amizade que terminou ou de um relacionamento que não deu certo não foram perdidos. Em todas as conexões interpessoais nós ganhamos.
Quando passamos a compreender que nada precisa durar para sempre para ter significado, passamos a aceitar as despedidas com mais sabedoria. E menos sofrimento! A vida é uma grande metamorfose e algumas pessoas serão lembradas através das nossas muitas fases.
Nunca se revolte por ter acabado. Sinta-se feliz por ter acontecido. Permita-se lembrar das coisas boas que aquela pessoa te trouxe. Pode ser que agora não esteja mais dando certo, mas por muito tempo deu. Por um determinado período aquela amizade ou relacionamento te fez bem e, no final, é isso o que importa.

Estar só nunca foi sinônimo de solidão

Meus avós paternos foram casados por mais de seis décadas e a vida da minha avó foi dedicada ao marido, filhos e netos durante todo esse tempo. No entanto, há quase quatro anos meu avô faleceu e minha avó sempre salienta a solidão que sente pela falta dele. Ela diz que “estar só é muito triste”. (Ressaltando que ela possui quatro filhos e oito netos).

Porém, compartilho aqui com vocês o que eu sempre digo a ela: quando você está bem consigo mesmo, ‘estar só’ não é um problema. A sua própria companhia se torna um prazer. Ter o privilégio de ter um momento só seu, de autoconhecimento e cuidado é incrível quando o seu interior está em paz.
Mas, afinal, qual é a diferença em estar só e ser solitário? No primeiro caso você apenas vivencia  momentos nos quais está sozinho, como ir ao cinema, ao teatro, almoçar, viajar, etc. Entretanto, possui amigos, família e pessoas ao seu redor que te amam e se preocupam com você. Os quais você compartilha horas de alegria, também.
No segundo caso, a pessoa não opta por estar sozinha em determinados momentos. Pessoas solitárias, que vivem sós, não possuem convívio próximo com outras. A solidão é triste e não traz prazer. A grande diferença é essa. Uma pessoa solitária é capaz de se sentir só em meio a uma multidão. O sentimento vem de dentro e transborda por fora.
Certa vez fui ao cinema sozinha e causei grande espanto em algumas pessoas: “Nossa, que triste! Você foi sozinha?”. Sim, fui sozinha. Mas fui por que eu quis. Por opção. Por amar a minha própria companhia. Muitas vezes desejamos estarmos sós. Para respirarmos e nos concentrarmos em nossos próprios pensamentos.
E isso faz um bem danado. Dedicar um tempo do seu dia a você e ao seu interior faz sanar diversas dúvidas. Quando a sua própria companhia te basta, qualquer lugar te faz bem. E a presença de outras pessoas se torna uma somatória. Estar só traz tranquilidade, liberdade e evolução pessoal.
Não permita que seu bem estar dependa da presença de outras pessoas. Faça com que isso seja uma soma em sua vida e não apenas uma subtração da sua parte. Passe momentos sozinho, curtindo a sua própria energia, e quando estiver rodeado de outras pessoas, aproveite a troca de vibrações.
Precisamos deixar de lado esse tabu de que quem faz algo sozinho é solitário. Liberte-se da necessidade de sempre estar acompanhado. Sinta-se livre para fazer, mesmo que só, aquilo que tem vontade. Se ame e ame sua companhia. Vivendo assim você aproveitará ainda mais os momentos ao lado das pessoas que ama.

 

Parece clichê, mas você atrai o que transmite

Muito ouvimos falar sobre a lei do retorno, mas será que essa força oculta realmente existe? Tenho absoluta certeza que sim. No entanto não é tão fácil perceber o seu efeito em nossas vidas. É preciso observar! Com a rotina acelerada em que vivemos acabamos por deixar nossas ações no automático. Habituamo-nos a reclamar e a esbravejar palavras ruins cada vez que algo sai do nosso controle ou não nos agrada. Não deveria ser assim, mas o ser humano tem mais facilidade em ver o lado negativo das coisas.

É preciso entender que tudo acontece por algum motivo. Estamos conectados ao universo e forças positivas e negativas atuam sobre nós o tempo todo. Algumas pessoas são mais sensíveis a isso e outras menos, mas a verdade é que todo ser humano atrai para si aquilo que tem emitido com mais freqüência. Você não precisa ser uma pessoa má para atrair coisas ruins para você. Basta que acumule pensamentos e sentimentos negativos dentro si. Pessoas assim tendem a ter mais problemas de saúde, dores tensionais, etc. Além de não conseguirem sentir alegria nos pequenos detalhes.

Quando alguém nos fere e deixamos que isso nos consuma, produzimos energias negativas a nós mesmos. E ainda liberamos isso ao universo e a quem nos fez mal de alguma maneira. É necessário realizarmos um exercício diário para mudarmos nossas atitudes frente aos acontecimentos da vida. Deixar o ego de lado demanda muito treino mental, pois temos a péssima mania de nos colocarmos em primeiro lugar. Entretanto, a empatia pelo outro faz bem a quem recebe e mais ainda a quem emite.

Você já parou para pensar que a vida desta pessoa que te fez mal pode estar pior do que a sua? Portanto, ao invés de preencher o universo dela com mais vibrações negativas, devolva energias positivas. Seja gentil! Em seu interior mentalize coisas boas a favor dela. E isso vale para todas as situações diárias que nos impulsionam a reclamar e nos consomem com energias ruins. Aprenda a enxergar o lado bom em tudo. Estava atrasado e ficou preso no trânsito? Aumente o volume do rádio e pense que talvez seja um livramento de algo pior.

E nunca se esqueça de agradecer. Seja positivo! Lute pelos seus sonhos, mas seja grato pelo que você já possui. Isso que talvez você ache pouco pode ser o desejo de outra pessoa. Acredite no poder que você tem de atrair o que quiser. Se ame e ame sua vida! Acorde feliz por ter saúde e por ter condições físicas e mentais de tornar o seu dia o melhor de todos. Preste atenção aos pequenos sinais e absorva tudo de bom que acontecer ao seu redor. Boas vibrações atraem boas notícias. Mentalize isso diariamente e observe a mudança!

Deixe fluir: sobre o poder positivo das mudanças

 

Vivemos em um mundo onde tudo acontece muito rápido. O que está em alta hoje, amanhã todo mundo já esqueceu. Os bens materiais, os momentos e os relacionamentos estão sendo substituídos em uma velocidade muito grande. No entanto, isso me faz pensar por qual motivo as pessoas têm tanto medo das mudanças, sendo que vivem em uma constante evolução? Tudo tende a caminhar para frente e a seguir a estrada do crescimento. É assim desde que éramos apenas um espermatozóide.

Entretanto, por que as mudanças assustam tanto? O mistério e a incógnita que o novo causa dentro de nós provoca insegurança e medo. A rotina e o hábito acomodam. E isso vale tanto para coisas boas como ruins. O ser humano é adaptável e se acostuma às situações. Por isso é tão difícil se deixar permitir viver um novo emprego, uma nova cidade, um novo país, um novo amor… A dúvida de como será o depois impede que muitas pessoas conheçam algo melhor.

Você já parou para pensar que essa situação que hoje você acha “boa”, talvez nem seja tão boa assim? A comodidade nos faz aceitar, muitas vezes, menos do que merecemos. Será que vale a pena viver uma vida mediana apenas por que esta está “bem assim”? É aquele velho ditado: “Melhor não mexer no que está quieto”. Será? O mundo é gigante e possui milhares de oportunidades, de pessoas, empregos e amores a serem descobertos. Basta arriscar e deixar fluir.

Tem uma prima minha que sempre me diz: “O não você já tem”. E é isso! A possibilidade de não dar certo qualquer que seja a sua escolha, você já tem. Porém, e se der certo? Já imaginou que incrível? Agora, se não for da maneira que você esperava e for necessário recomeçar ou retornar ao ponto de partida, ok também. Na vida tudo é aprendizado. E mesmo essa tentativa, talvez frustrada, irá te trazer maturidade e mais experiência para tentar de novo. E de novo. E quantas vezes forem necessárias.

Mudar, evoluir, crescer, tudo isso faz parte do ser humano. A vida não pertence ao estático, ela pertence ao que flui. Mantenha-se aventureiro, curioso e sempre disposto a aprender. A evolução pessoal deve ser gradativa e constante. Não estacione! Seja como um rio e deixe que as mudanças aconteçam naturalmente. Sem receio. Permita-se ter uma mente aberta e pronta a receber o novo. Viaje sozinho. Conheça pessoas diferentes de você. Visite lugares inusitados e com uma cultura alheia a que você está habituado.

Se surgir uma nova oportunidade em alguma situação da sua vida e você sentir aquela coceirinha para aceitar, não hesite. Arrisque! Não deixe seus sonhos guardados em uma gaveta no seu coração e na sua mente. Permita-se tentar, errar, viver e vencer! Abra-se para novas ideias, novos momentos, novos costumes. Sinta-se livre para ser o que quiser e ir para onde desejar. O medo é inimigo da evolução! Não passe a vida toda admirando quem tem coragem. Voe!